🤯 🔥 BURNOUT 🔥💥

Foram anos e anos de intenso trabalho, algo completamente fora do normal, 15 a 20 horas por dia, pensava em trabalho até nos sonhos, um desespero interno, uma pressa, uma sensação de que faltava algo constantemente, um sentimento de que tinha que chegar em algum lugar, sentia que tinha que provar algo para alguém que no final eu não sabia nem o que era esse algo ao certo, e muito menos quem era esse alguém… Meu Deus só de falar me falta o ar aqui de lembrar como eu consegui viver tanto tempo presa nessa configuração mental que me matava dia a dia. 



Hoje eu entendo que todo EXCESSO revela uma FALTA, o excesso na verdade é uma busca da nossa mente e do nosso corpo por equilíbrio, na tentativa de compensação. E nesse caso o que me levou a entrar nessa síndrome de esgotamento profissional, não seria diferente. Eu conto mais no vídeo abaixo sobre esse processo e o que o meu cérebro fez de configuração errada que me levava a esse estado de excesso e consequentemente a me deixar presa na Síndrome de Burnout:

No artigo a seguir eu vou compartilhar com vocês mais informações sobre a síndrome de burnout, o que é, os primeiros sinais e os sintomas efetivos dessa síndrome, quais são as causas reais do burnout, como diagnosticá-la, e o mais importante: como não cair em pilhas de remédios para sair dela. 

Vou deixar também dicas de prevenção para aqueles que identificarem os primeiros sinais, assim já poderão interromper no início e evitar que o problema chegue a quadros mais complicados. 

Boooora nessa!!!


O Que é Síndrome de Burnout?

A síndrome de Burnout é um quadro de esgotamento extremo que reflete no âmbito mental, físico e emocional da pessoa que entra nesse processo. Uma boa comparação é como aquela tela preta de um sistema de computador, sabe? Tipo assim, travou tudo, não consegue movimentar o mouse, não consegue abrir mais telas ou fechar as existentes, simplesmente uma pane no sistema mental.

O termo Burnout é bem adequado nesse caso, pois em inglês no sentido literal seria traduzido como “combustão completa”, em resumo seu corpo ligou o sistema de alerta total.

Ninguém está livre de viver um burnout, nas literaturas que eu li eles citam profissionais que têm mais probabilidade de entrar nessa síndrome, mas eu acredito que não está ligado à uma profissão específica, tem muito mais relação com o perfil da pessoa. 

Pessoas que são muito exigentes com os outros e consequentemente com elas mesmas, que são perfeccionistas pois ainda acreditam que existe a perfeição e vivem em busca de chegar nesse lugar ilusório (tem um artigo inteiro sobre isso aqui se quiser saber mais), pessoas imediatistas que querem tudo para ontem e acham que todos ao seu redor são lentos e pessoas que têm dificuldade de delegar funções pois acreditam que sempre fazem melhor que os demais, são perfis de pessoas mais vulneráveis a cair nesta síndrome de esgotamento profissional.

Essa síndrome não é brincadeira, ela pode levar pessoas a depressão profunda sem que elas mesmas possam perceber, por isso a importância do diagnóstico o quanto antes. Veja a seguir os primeiros sinais e os sintomas efetivos da síndrome de burnout.

Sinais e Sintomas de Síndrome de Burnout

Os primeiros sinais acontecem de forma bem sútil, com oscilações de humor, um certo cansaço mental em atividades que antes eram tranquilas de serem feitas, dificuldade de concentração que levam as pessoas que iniciam esse quadro a começarem várias tarefas ao mesmo tempo para se sentirem produtivas mas no final acabam concluindo efetivamente poucas delas, situação essa que inclusive acentua a ansiedade gerada no início dessa doença ocupacional. 

Quando o quadro da síndrome de burnout já está mais avançado, os sintomas citados acima são intensificados e agora são acompanhados de uma ansiedade em excesso, seguida de um sentimento de incompletude, de tristeza interna sem motivos aparentes, oscilações entre muita euforia de pensamentos de que tudo vai melhorar com momentos de muito desespero pois aparentemente a situação que está não tem solução. 

Nesse segundo estágio é comum um nervosismo frequente, falta de vontade de sair de casa, cansaço constante, distúrbios no sono, fadiga, dores musculares, a pessoa não consegue mais viver no aqui e no agora, preocupações excessivas com o futuro, pessoas com vícios tendem a intensificar o uso, seja de bebida ou cigarro, dores de cabeça e problemas estomacais são frequentes também nos relatos de pessoas que passam por essa síndrome. 

Os quadros em estágio mais graves levam as pessoas a se retraírem progressivamente evitando contatos sociais e no trabalho, sentem um sentimento de derrota e insegurança, apresentam quadros de depressão podendo chegar em uma depressão profunda se não forem diagnosticada a tempo, e em casos extremos tem relatos até mesmo de suícidio.

Causas da Síndrome de Burnout

Esse é um ponto importante porque muito do conteúdo que vocês vão encontrar na internet vai trazer a ideia de que a causa é na verdade o excesso do trabalho, resultado do acúmulo excessivo de responsabilidades no trabalho, falam sobre profissões que são emocionalmente exigentes e com alto nível de stress, ambientes profissionais que levam os trabalhadores a viver em constante competitividade e/ou atuando sempre sob pressão. 

Para mim, que fui além na compreensão para entender o que tinha realmente acontecido comigo, eu descobri que a busca por cargos e situações que me faziam ficar nesse ciclo de necessidade de superação e aprovação constante, que me levava a trabalhar de forma descompensada como modus operandi era só uma consequência de algo interno mal resolvido. 

Aquele excesso de trabalho e atividades, aquela busca incessante por aprovação, aquela sensação de que tinha que trabalhar muito para chegar em algum lugar, aquela violação dos meus próprios limites para atingir um lugar no pódio da vida se devia 100% a uma configuração mental errada feita ainda na infância, que apenas chegou no desequilíbrio na fase adulta à medida que o “lugar” que minha criança configurou lá atrás que tínhamos que chegar para “ser alguém”, nunca na verdade chegava, era como passar a vida correndo atrás de uma ilusão mental, e quanto mais eu queria intensificar para chegar nesse lugar, mais esse lugar se afastava. Literalmente vivendo dentro de uma história imaginária criada pela minha própria criança e para aqueles que querem mesmo entender onde foi que eu me perdi eu conto em detalhes nos vídeos da minha página – O Despertar. 

Eu me auto analisei MUITO depois de todo esse processo, abandonei tudo que eu fazia e estou há mais de um ano mergulhada em mim mesma, aplicando diversas técnicas de expansão de consciência para entender melhor o funcionamento do cérebro humano. Eu queria entender de verdade o que me levou a aquele ponto, o que leva nós seres humanos a essas “falhas” no sistema, stress, ansiedade, depressão entre outros. Qual teria sido a configuração mental que me fazia querer trabalhar daquele tanto, onde eu achava que estava indo com aquela loucura toda, o que eu queria provar e para quem, que sentimento era aquele de que me faltava algo que me levava a agir de forma tão punitiva e com tão pouco amor comigo mesma, me fazendo fugir de tudo que era amor de verdade com a justificativa de que isso me atrapalharia chegar, mas chegar onde mesmo? É… quanto mais entra na toca do coelho, mais fundo ela fica… rsrs

Agora que estou saindo desse quadro eu olho para trás e a cena que tenho de mim mesma é de uma pessoa marionete pendurada nas mãos de algo maior que me controlava, provavelmente emoções e sentimentos mal digeridos na infância e adolescência. Eu vivia para reagir a tudo e todos ao meu redor, como um programa bugado acontecendo em ciclos contínuos e sem fim, totalmente fora do controle da minha vida, fora da minha essência, lutando internamente para entender o que efetivamente estava acontecendo comigo e para onde efetivamente eu estava indo. 

Em resumo, a causa efetiva da síndrome de burnout está muito antes do trabalho excessivo. Para aqueles interessados em aprofundar mais e entender de verdade onde foi que tudo isso iniciou em suas vidas, para então poder atuar na raiz do problema eu vou deixar aqui um link para um formulário de uma consultoria gratuita de um hora comigo.

Nessa consultoria gratuita nós (eu e você) vamos analisar pontos chaves juntos para que você consiga iniciar essa busca interna para encontrar esse gatilho que te faz ficar rodando em ciclos repetitivos.

Observação: Essa consultoria é realmente gratuita, porém há critérios para participar *

Como diagnosticar essa Síndrome

Dificilmente a pessoa que está no meio dessa síndrome é capaz de identificar que está doente, até mesmo porque o processo de negação de que há problemas é um dos estágios desta doença. O que acontece na maioria dos casos são amigos e familiares que começam a notar comportamentos diferentes, isolamento e desânimo anormal e então na busca de entender o que está acontecendo ajudam a pessoa a chegar no diagnóstico. 

O diagnóstico passa por um psiquiatra que irá relacionar os sintomas ao trabalho e na maioria dos casos vão recomendar medicamentos como ansiolíticos e/ou antidepressivos.  

Eu entendo que tem casos mais graves que realmente precisam do uso desses produtos de drogaria para serem controlados, mas eu particularmente sempre busco alternativas naturais antes de recorrer a remédios pois não sinto que eles realmente resolvem, sinto que eles apenas amenizam os sintomas.

Tratamentos Naturais para Síndrome de Burnout

O primeiro passo é você estar ciente que está em uma situação em que precisa da sua atenção, que você precisa se cuidar antes de tudo e todos que estiverem ao seu redor. 

Ao se deparar com sintomas da síndrome de burnout, existem algumas ações imediatas que vão te ajudar a retornar ao centro e entender o que está acontecendo. São elas:

  • Cuidar da sua alimentação, ampliar o consumo de verduras e frutas, em especial aquelas que tem propriedades que acalmam, como o maracujá, banana, alface, entre outros. É fundamental alimentar-se bem, evitando excessos de gorduras, carboidratos e bebidas estimulantes, como o café por exemplo. Eu optei por retirar a carne vermelha da minha dieta também, pois nas explicações mais espirituais a energia do sofrimento do animal acaba sendo absorvida pelo corpo humano que ingere esse tipo de proteína, em especial da carne vermelha que tem o sangue, liquido, como condutor que amplia ainda mais essa conexão de energias nessa interação.
  • Evitar o álcool, tabaco ou qualquer substância que possa tirar você da realidade, do centro, ou que sirva de muleta para não se cuidar como deveria. 
  • Sono de qualidade é primordial, o seu corpo está dando sinal de esgotamento, se desconectar de tudo e recarregar a sua bateria é de suma importância. Aqui entra um trabalho intenso de controle mental para não se conectar com problemas externos momentâneos que possam interferir nesse processo do seu descanso, deixa tudo que o que não tem solução resolvido está!
  • Incluir atividades físicas em sua rotina de preferência aquelas que façam você suar bastante. Durante uma atividade o seu organismo libera endorfina e serotonina, e nesse momento tudo que você mais precisa é ter momentos que façam você sentir prazer e bem-estar.
  • Meditação é vida! Sendo o seu exterior um reflexo do seu interior quando tudo na vida parece desordenado, só tem uma razão: as coisas dentro estão também. Nesses momentos, nada melhor do que fechar as portas que nos prospectam para fora e entrar para dentro para se ouvir e entender o que está acontecendo.
  • O que realmente me ajudou MUITO a retornar desse processo da síndrome foi a busca pela reconexão com a minha essência, entender quem eu era de verdade, me ouvir, ouvir meu coração para entender o que ele queria, voltar a pintar, aprender um instrumento, abrir meu coração para o amor, reconhecer que eu queria ser cuidada, queria ser mãe e poder cuidar da minha família de verdade, estar próxima de quem eu amo, daqueles que me fazem bem, passar mais tempo e a estar realmente presente no momento que eu tinha com pessoas importantes para mim.
  • Para aqueles que gostam de ir além, recomendo também processo de expansão de consciência com medicinas da floresta (100% natural), posso dizer sem dúvidas que me ajudaram muito nessa busca por compreensão e dessa reconexão comigo mesma, vou deixar aqui um link falando mais sobre a principal delas, a Ayahuasca (quer saber mais clique aqui).

8 Dicas para Prevenir a Síndrome de Burnout:

  1. Meditação contribui muito para encontrarmos o centro do nosso ser, tirar um momento diário para calar a  mente e ouvir o coração vai com certeza te ajudar a não caminhar em direção a essa síndrome.
  2. Conexão com a natureza: tire um tempo para você! Fuja para um lugar de campo, praia e se conecte com as raízes, pise no chão, sente na grama, sinta o vento no rosto.
  3. Te carregue de volta para o que te dá prazer, relembre sua fase de infância, o que você gostava de fazer? Pintar, andar de patins, tocar algum instrumento, cantar, dançar, uma vez que sentir que se afastou desse lugar de alegria, retome atividades que te levam de volta para lá. 
  4. Mantenha-se em altas frequências. Se afaste de TODO e QUALQUER sentimento de baixa frequência (irritação, insegurança, medo, raiva, etc) um sentimento desses te conecta com outro e depois outro e mais outro. Se já estiver dentro desse flow, comece a plantar sementes diárias de sentimentos de alta frequência (gratidão, alegria, amor, segurança). 
  5. Se afaste de pessoas negativas, busque se rodear de pessoas com frequências elevadas, que vibrem na gratidão e positividade.
  6. Se recuse a frequentar ambientes, seja familiar, seja entre amigos ou profissional em que seu valor não seja reconhecido. Faça isso por amor a você
  7. Saia da rotina, busque fazer atividades totalmente fora do que costuma fazer no dia a dia, visite lugares novos, invente atividades como fazer um bolo, plantar, etc.
  8. Ame MUITO! Com todo o seu coração. Comece a ver a vida nos pequenos detalhes e gestos, a ver o valor de coisas pequenas como um abraço, um aperto de mão, um passeio em uma praça compartilhando sorrisos com os demais seres, plante no coração dos demais o que deseja que brote no seu!

0 Comments

Leave a Reply

Avatar placeholder

Your email address will not be published.